quinta-feira, 19 de abril de 2012

Viajando e aprendendo: quando se adora Londres

Dentro da London Eye. Londres não tem Torre Eiffel nem Empire State Building, mas possui a London Eye para proporcionar uma vista linda da cidade.

As cidades que são adoradas e cultuadas raramente me conquistam de primeira. Foi assim com Paris em 2007, por exemplo. Precisei de três dias para começar a adorá-la.

Com Londres aconteceu algo parecido. No dia em que chegamos, ao fazermos o trajeto de metrô do aeroporto para o hotel, tivemos de trocar de estação para continuarmos o percurso. Atravessando a rua, lembro de ter tido um lampejo de admiração pela cidade: "Uau! Londres!" Mas a chuva e a multidão nos dois dias subsequentes (passamos o feriado do domingo de Páscoa lá) garantiram que o lampejo fosse somente um lampejo mesmo. É impossível não admirar a beleza de Londres, sobretudo de prédios como o do Parlamento, mas a cidade ainda não me encantava.

Até o Sol sair, e tudo mudar de figura. O Hyde Park ficou mais lindo, e desconfio que desbancou o Central Park no meu coração. A cidade começou a se tornar familiar e me cativou. Em um dado momento, percebi que adoraria morar lá.

Deixando as impressões de lado e tratando de assuntos mais práticos, a melhor dica que tenho em relação a Londres é a hospedagem. Ficamos no Royal Court Apartments. O hotel fica a duas quadras do Hyde Park e da estação Lancaster Gate, servida pela linha central do metrô. Uma estação bem maior, a Paddington, de onde saem trens expressos para o Heathrow, também se encontra a poucas quadras. Do hotel é possível chegar a Oxford Street (a rua das compras) a pé, mas a caminhada é mais longa. É importante, no entanto, pedir os quartos reformados. As acomodações do hotel possuem cozinha com fogão, frigobar e microondas.

Isso nos permitiu economizar muito com alimentação. Íamos ao Sainsbury's, e comprávamos pão, leite, queijo, suco, e pratos congelados (três por cinco libras!) e garantíamos nosso café da manhã e jantar.

Falando em economizar, em relação a transporte, todos recomendam a compra do Oyster Card. Porque pensávamos que conseguiríamos fazer tudo a pé (a gente devaneia de vez em quando, rs) não o compramos, então não tenho informações sobre ele. Acredito que deva valer a pena. Para vocês terem ideia da economia que se pode fazer, um ticket single ride custa quatro libras e alguma coisa (salvo engano). Já um ticket para o dia inteiro custa sete libras! Imagina um ticket semanal...

A única ressalva é que esses valores se aplicam para transporte dentro das zonas 1 e 2 de Londres. E isso já basta, pelo menos se você se hospedar onde ficamos. Todas as atrações turísticas principais se encontram nessas zonas.

St. Paul Cathedral.
As flores no Hyde Park.

As cabines telefônicas clássicas. Muitas estão sendo desativadas, então é bom aproveitar para tirar foto.
No Madame Tussauds. É enorme! Parece atracão da Disney combinada com a da Universal.

Não podia faltar!

Quem é esse mesmo, V.?

Big Ben e Parlamento. Muito lindo.

Contando os dias para as Olimpíadas.
Tower Bridge
Ameeeeeeeeeeeeei!

3 comentários:

Cassio Barros disse...

Ana Raquel, que bela surpresa essa descoberta! Sempre admirei seus argumentos bem estruturados e coerentes e poder entrar em contato com eles novamente foi muito bom. Parabéns pela escrita e pelo blog. Gostei do tom sensível, maduro e agradável. Abraço

Bianca Montenegro disse...

Achei seu blog procurando informacoes sobre o Royal Court Apartments e adorei saber que fiz uma boa escolha ;D como é a vizinhanca la?? tem supermercado perto? ;D

Raquel disse...

Oi, Bianca!

A vizinhança é muito tranquila. Pode ir sem medo.

Quanto a supermercado perto... Bem, dá pra ir a pé pro Sainsbury's, mas a caminhada é um pouco longa, principalmente se a gente vem carregada de compras. Por sorte, tem estação perto tanto do hotel (estação Lancaster Gate)quanto do Sainsbury's (estação Marble Arch). Salvo engano, são estações vizinhas...

Boa viagem!